10 março 2009

Estaduais

Campeonato estadual ficou meio chato de se ver. O único que ainda dá para considerar é o paulista, com times um pouco mais equilibrados e com um ou outro jogador de melhor categoria.
O campeonato do Rio vive do suposto 'charme', com times mambembes e um baita esforço da imprensa para chamar a atenção para jogos melancólicos. O paranaense é uma tristeza só, com times que não sabem nem ter identidade própria. O gaúcho se sustenta na dupla Gre-Nal, mas, com o Grêmio em má fase, fica torneio de um time só. E o mineiro é enternamente uma disputa caseira entre a Raposa e o Galo.
E na terra dos bandeirantes, o São Paulo mostra, há tempos, que sabe onde enfia os pés. Invariavelmente, contrata e vende bem, e sempre tem alguma revelação digna de nota. Para 2009, carregou uma penca de jogadores que atuavam no Flu - um deles, prata da casa. Muito embora eu tenha lá minhas ressalvas ao cardíaco, ele está lá marcando seus gols e até atuando bem - mesmo perdendo vários.
Outro
destaque atual, até pouco tempo malhado sem dó pelos mais fanáticos dos antigos torcedores é Keirrison, que vem despontando como potencial candidato à amarelinha (na reserva, deixo isso bem claro). Goste o Dimitry ou não, o fato é que o K9 é bom de bola. Sempre participa bem das jogadas, é calmo, tem técnica apurada e, principal, marca gols.
Mas, para minha surpresa (e de muitos outros), o assunto atual é o Fenômeno, Ronaldo Nazário. O Gordo voltou a jogar (ressalvas ao termo 'jogar' são aceitas) profissionalmente, o que, por si só, já é um feito. Mas, mais que isso, ele volta em um time grande, do futebol paulista, com a torcida mais alucinada. Após uma sucessão de eventos, digamos, pouco recomendáveis para um atleta - e alguns até nada recomendáveis para qualquer um de mente sã, era de se apostar que o Gordo nem entrasse em campo ou, se o fizesse, que fosse apenas para cumpir tabela para os patrocinadores. Afinal, fenômeno de marketing ele é mesmo. Mas não é que o cara entrou num clássico, justo contra o maior rival? E não é que ele fez mais do que os companheiros? Pior ainda, marcou o gol de empate no finalzinho do jogo, assegurando a manutenção da invencibilidade corintiana no certame!
Reconheçamos, o cara tem estrela... Mas daí a dizer que a Seleção seria uma possibilidade, vai uma distância monumental. Pato, K9 e agora Fred, jogando em um time grande, têm preferência.

3 comentários:

Cássio disse...

Fred num grande time????
kkkkkkkkkkkkk

Digão disse...

Espere pra ver o garoto Neymar...

Dimitry disse...

Neymar tem cheiro de costela na faixa!
E que o atlético se foda!