21 dezembro 2008

Deu na Gazeta!

A maior torcida do Estado do Paraná é do... Curíntia! Um oitavo dos torcedores paranaenses são do bando de loucos, enquanto 9,6% declararam ser torcedores do time do meio-estádio. Os coxa-brancas fazem ainda mais feio, ficando em quarto lugar (7,5%), atrás dos palmeirenses (7,6%). Os times da capital ficam restritos à área de abrangência da cidade, ou seja, na Região Metropolitana. Saindo para o interior e litoral, escasseiam os apoios ao trio curitibano.
A pesquisa, realizada entre fevereiro e novembro de 2008, abrangeu 68 municípios, na base da pergunta espontânea: "Para que time torces?".
No fundo, nenhuma novidade. Afinal, já sabíamos que a rivalidade Atletiba se limita à capital mesmo. No máximo, chega a Ponta Grossa. No Sul do estado, a influência gaúcha faz a torcida pelear em torno do Grenal, enquanto no norte,a disputa é essencialmente paulista.
A ovelha negra é mesmo Paranaguá, lugar de gentinha, que, por isso, predomina a preferência pelo rubro-negro dos favelados cariocas. Ou seja, porto é lugar de maloqueiro.
Outra curiosidade interessante é a que revela que os torcedores do Trétis se equivalem numericamente aos dos coxas. Porém, quando se soma a preferência feminina, o time da Baixada lava a égua. Assim, percebe-se que o Furaquinho é mesmo time de meninas.
Na capital, a divisão regional da preferência evidencia o conflito norte-sul. A parcela mais ao norte da capital, abrangendo as regionais da Matriz e da Boa Vista, tem clara preferência pelo time de verde. O restante da cidade vai de vermelho. Ou seja, o Trétis é mais "povão", ao contrário do que eu acreditava pela percepção de freqüência nos estádios.
O fato de termos uma preferência por clubes de outros estados deve-se, basicamente à uma certa falta de identidade do Paraná, associada, claro, ao histórico futebolístico. Migração intensa, pouca tradição regional e o fraco desempenho técnico dos clubes da capital são apontdos como as principais contribuições na preferência dos torcedores.
Assim, enquanto não saírem para "colonizar" o interior, os clubes da capital ficarão restritos ao curral de sempre, sem possibilidades de expansão da marca, do nome. Mas, primeiro, precisam de time.

2 comentários:

RodrigoGMS disse...

Eu já Sabia!!!

Abraço!

Dimitry disse...

Esqueceram de definir o que é um torcedor.
Compra camisa do time, vai ao estádio, se associa, liga para a emissora de tv reclamando que só passam jogos dos paulistas e cariocas, assina tv por assinatura para ver os jogos do time, sacaneia o torcedor do time adversário por qualquer motivo, etc...
Se o entrevistado não fez pelo menos uma das ações acima, não pode ser considerado um torcedor.
Falar o nome do primeiro time que vem a cabeça não é torcer!
E que o atlético de foda!