24 março 2011

Hitchcok com final feliz

Um bom filme de suspense tem alguns ingredientes básicos, capazes de atrair a atenção do espectador e mantê-lo atento à trama. E o jogo do Flu se assemelhou a isso, com todos os elementos necessários para deixar o torcedor Tricolor aceso e os demais, surpresos.
O enredo - fase inicial da Libertadores, grupo difícil, início ruim, time periclitante, desempenho fraco, adversário malaco... Tudo contribuindo para um cenário de maior dificuldade para os '11 das Laranjeiras', abatidos com a saída abrupta de seu comandante;
O time - inseguros com os últimos resultados, os jogadores do Tricolor entram já sob pressão, precisando fazer o resultado em um momento ruim do grupo, em que jogadores lesionados estão voltando e alguns ainda se ambientam no elenco, enquanto o comando fica no improviso de um técnico-tampão até a chegada de Abel Braga;
O adversário - algoz na última partida, o tinhoso América do México vem como um visitante perigoso, que pode se dar ao luxo de jogar com tranquilidade pelo empate.
Juntamos a esses componentes uma dose de azar e um pouco de intranqüilidade e temos um Flu pronto para tomar um revés fulminante, em pleno Rio de Janeiro. E assim parecia que seria, pois em uma bobeada da zaga e atrapalho do arqueiro Berna, que vinha bem até então, abrem-se os mares para o time mexicano, que mexe no placar e fica na zona de conforto. Está instalado o drama Tricolor... Nada menos que a vitória interessa ao time da camisa mais bonita do Brasil, quiçá do mundo, e esta teima em querer se afastar. Mas, brioso, o Flu não se entrega e logo empata, em belo gol. As esperanças renascem e até parece que há justiça no mundo. A pressão Tricolor se mantém, com o adversário acuado em seu campo, espremido, sem saída.
Então...
Então vem o tempero que instala o terror e retorna o mundo às trevas do obscurantismo. Mais uma bobeada do arqueiro em um lance fortuito e a bola volta a balançar o barbante do time brazuca. Desespero, incredulidade, tristeza, desorientação... Tudo se avizinha do time das Laranjeiras, deixando o cenário mais cinza.
Mas...
Mas o time de guerreiros não se entrega e volta à carga, ainda mais intensa, colocando toda a vontade em cada lance, em cada disputa de bola. A ansiedade mostra sua face em vários momentos, deixando a bola a centímetros do ponto ideal no passe final ou fazendo-a passar um pouco além do trajeto de encobrir o arqueiro e cair na rede. É o Flu lutando contra si e contra todas as dificuldades. Entram Araújo e Deco, que seriam os heróis do jogo! Era o que restava: ir ao ataque com todas as forças. Era o 'tudo ou nada'.
Logo Deco mostra que pode retornar em grande estilo. Começa a participar da meiúca com a habitual fluência, interagindo com Conca. E foi numa jogada sua, descendo pelo flanco da defesa mexicana, que o luso-brasileiro encontrou Araújo no meio da área para empatar mais uma vez a partida.
Delírio da torcida, que volta a crer no espírito Tricolor, aquela chama que fez a maior história do futebol de todos os tempos no biênio 2009-2010! O Flu não dá sossego ao América, que tenta se erguer, mas é açodado pelos '11 das Laranjeiras', que impõem seu ritmo e começam a retomar o futebol que encantou.
Nos momentos finais da partida, quando a angústia moldava as faces de todos no Engenhão, em lance que misturou sorte, disposição e categoria, Deco, nosso herói, se antecipa ao zagueiro e faz o terceiro tento, o gol da virada, o gol da vitória Tricolor!! Era a redenção do elenco de guerreiros, a retomada de Jerusalém, o desembarque na Normandia, a liberação de Auschwitz, a descoberta da penicilina ou outro evento de igual grandeza.
A alegria esfuziante preencheu o Engenhão, tomou conta do peito dos agraciados que, por força do destino, são Tricolores. Nesse momento, os torcedores tiveram a certeza de que a camisa listrada de verde, branco e grená ainda é vestida com galhardia por aqueles que treinam nas Laranjeiras.
Vence o Fluminense, que segue na competição! Continua difícil, mas o espírito renasceu!

4 comentários:

André Campos disse...

nossa, "correu" uma lágrima.

Sabiana M. disse...

nossa, "correu" uma lágrima.(2)

Jorge Messi disse...

Correu uma lágrima e meia ...Mas nada vai mudar..Não passa para a próxima fase....

Empadinha disse...

Sem comentários, mta emoção.