22 maio 2008

Noite memorável

A torcida Tricolor passou por um teste de esforço, de resistência e de saúde cardiológica. Se tinha algum cardíaco na torcida, já era. Em um jogo disputadíssimo, duro e bom de ver, o Fluminense, o time da camisa mais bonita do Mundo, bateu o tricolor do Morumbi no Maracanã, pelas quartas-de-final da Libertadores de América. E quase que fica pelo caminho... Foi um embate histórico nessa jornada de dominação mundial que o Fluminense empreende. O adversário da próxima fase ainda não está definido. Inicialmente, o tricolor carioca pegará o Boca Juniors. No entanto, o adversário pode mudar se Santos ou San Lorenzo conseguirem a classificação nesta quinta - o regulamento não permite uma final com times do mesmo país. Mais uma vez, o São Paulo cai diante de um rival brasileiro - no ano passado, o clube havia sido eliminado pelo Grêmio. Deve ser alguma sina de não vencer times tricolores... O Flu começou bem já com a serenidade de Renato Gaúcho, que escalou Conca no lugar de Dodô. O argentino é ardido, corre o tempo todo e incomoda. Adriano e Dagobelho deixaram a desejar. Ceni falhou no segundo gol e Joílson deu uma de burro ao ser expulso. Mas o nome do jogo foi o artilheiro Washington. O Cardíaco praticamente não fez nada que prestasse no jogo, exceto... os dois gols! O primeiro abriu o placar e as esperanças cariocas. O segundo foi a redenção de quem havia passado oito jogos sem marcar. O jogo marcou também a quebra de dois tabus: (i) o Flu não havia tomado gols no Maraca nessa competição; (ii) os Bambis não perdiam por dois gols de diferença havia um montão de tempo. O Tricolor começou pressionando, martelando a defesa do São Paulo até que a porteira se abriu. E só não foram dois por pura largura paulista. No segundo tempo, o São Paulo melhorou e se aproveitou do buraco na meiúca que a saída de Arouca deixou. Ainda bem que Aloísio perdeu a chance que teve. O Flu teve a felicidade de marcar o segundo gol logo em seguida ao gol de empate, minando a confiança do time paulista. Ceni colaborou decisivamente, em uma falha incrível. O recuo dos Bambis e o homem a mais facilitaram a tarefa do time das Laranjeiras, que passou a pressionar insistentemente. O gol nos descontos não foi só providencial, foi mágico. Fez justiça ao codinome 'Valente' para o detentor da camisa 9 do time Tricolor. A torcida saiu extasiada e confiante para as próximas partidas, que serão pedreira de qualquer modo.
O Boca também fez bonito - mas nem tanto, claro. Despachou o Atlas (MEX) com 3 gols de Palermo e segue firme como favorito ao caneco da Libertadores. Deixaram o Riquelme jogar e aí o cara 'operou' o jogo. Esse caboco é perigosíssimo. Deixá-lo jogar solto é pedir para ter complicações.

5 comentários:

Digão disse...

Renato Gaúcho tomou culargol...Mexeu errado no time, fragilizou o Flu, mas graças ao gol relâmpago de Dodô e da expulsão do burraldo Joílson.
Contra o Pexe, não terá essa moleza.

Rômulo disse...

É verdade. Contra o Peixe, o Flu não terá moleza. Aliás, não terá nada, já que o time do Leão nem passará pelo América...

Bento disse...

Eh eh eh eh eh.
Tô torcendo para o peixe, HOJE.
Mas, fiquei pensando com o que disse o cometarista da ESPN (esqueci o nome) que, TALVEZ, seja melhor pegar o BOCA agora, que o Flu tá embalado...
De qualquer forma, foi LINDO ver a torcida no MARACA... Vontade de ir nesta SEMI-FINAL.

saulo disse...

Romulicha, como bem vc disse, a torcida saiu extasiada e confiante para a próxima partida. Na outra, seja quem for o adversário, é caixão pra vcs. Não há pedigree no Flu para ir a uma semifinal de Libertadores. É muito pra vcs...

Rômulo disse...

Saulo, o dia que o Vaishco se livrar do Eurico, poderás falar de 'pedigree'...