13 setembro 2007

Exibição canarinha

Seleções
No último teste antes das Eliminatórias, o Brasil jogou melhor e bateu os mexicanos, incômodo adversário em anos recentes, em jogo que contou com a melhor apresentação de Ronaldo Gaúcho nos últimos tempos envergando a lendária camisa amarela. Com o trio Ronaldo + Kaká + Robinho, a criatividade teve vez e até fluiu em vários momentos, com toques rápidos, de primeira, envolventes. Ronaldo também fez alguns lançamentos primorosos, mostrando sua grande visão de jogo. A imprensa critica o "preciosismo" do time nacional, mas eu elogio. Acho que é dever, obrigação desse time dar espetáculo, por conta da imensa superioridade técnica em relação a outros selecionados. Nenhum outro time do mundo tem condição de resgatar o "futebol-arte", senão a Seleção Brasileira. Quem ficou um pouco perdido no esquema foi Vágner Amor, que não se achou com a camiseta 9. A zaga, pouco exigida, vacilou no gol mexicano. Daniel Alves bobeou ao acompanhar mal a jogada e aí sobrou um comedor de tortillas livre para bagunçar o nosso coreto. Ao empatarmos rapidinho, desmontamos os cucarachos. Não fosse a inspiração de Ochoa, teríamos feito mais. A alternativa de Elano no lugar de Vágner pode até ser uma boa, mas nem deu para sabermos, já que o ex-santista fez uma baita cagada e levou o vermelho. Saco foi ver Afonso marcar e dar motivos para ainda ser chamado.
Na Europa, Felipão recebeu críticas de todos os lados ao praticar o pugilismo em um jogo de futebol. Acho que ele levou sorte de terem contido o sérvio Dragutinovic (puta nome complicado), senão ele teria levado um cacete firme. Resta agora ver que tipo de punição será imposta ao novo Tyson, que alega apenas ter "protegido" seus jogadores. Tá! O treinador dos pampas perdeu a cabeça no jogo em que Portugal penou para fazer um golzinho mixo e sofreu o empate no finalzinho. A situação de Felipão não é lá das melhores, sendo contestado por muitos em Portugal. Só fica por que ainda não apareceu um nome para substituí-lo.
No Grupo B das eliminatórias da Euro 2008 continua a disputa acirrada. A Escócia bateu a França pelo placar mínimo e assumiu a ponta. Aproveitou-se da falta de criatividade dos franceses, que só tinham Ribery na meiúca para tentar inventar algo. Vai faltar uísque... Enquanto isso, a Itália, como sempre, na retranca, recuperou-se vencendo a Ucrânia em Kiev.
O English Team recebeu os Russos e venceu por 3x0 um jogo de seis pontos, assumindo a liderança do Grupo E. Show de Owen, que marcou dois e participou decisivamente da partida.


Brazuca

Dá tudo certo para os Bambis. Em partida atrasada, a Raposa, que vinha embalada, no encalço do time da capital paulista, bobeou e permitiu que o Framengo, o pior carioca nos últimos 5 anos, acumulasse mais 3 tentos. Com isso, o time mineiro se distancia dos Bambis e o rubro-negro, da ZR. O Framengo jogou com 3 volantes de marcação e segurou o melhor ataque do Brasileirão, explorando as fragilidades da defesa do time de azul com Léo Moura e Toró em noite inspirada. De quebra, manteve a invencibilidade contra times mineiros no Séc. XXI. Irreconhecível o Cruzeiro, que se perdeu totalmente na partida com o primeiro gol carioca. Defesa enrolada, meiúca errando passes e Wagner ausente da partida! Assim, claro, o ataque não funcionou. Após a entrada dos atacantes Guilherme e Kerlon, a Raposa melhorou e chegou a descontar a desvantagem. Mas o ímpeto mineiro permitiu espaços ao time da Gávea, que marcou mais um e fechou o caixão.

Sul-Americana
O Vaishco e o Botafogo avançaram na competição ao confirmarem a vantagem obtida na primeira rodada.
O Fogão venceu o Timão e enfrentará o River Plate - parada dura. O jogo começou lento, em ritmo de treino amistoso. Mesmo precisando vencer, o Curíntia pouco ameaçou, restringindo sua saída de bola a Vampeta. Os cariocas, por sua vez, ficavam na moita, esperando o ataque que não vinha. Só na segunda etapa o jogo se mexeu. Aí o Botafogo foi melhor e dominou a partida, mesmo jogando na base do contra-ataque. Os mesmos times voltam a se enfrentar na próxima rodada do Brasileirão. Com o Corínthians em crise técnica e administrativa, deve dar Fogão de novo.
O Vaishco, jogando com 6 reservas, também teve tarefa fácil enfrentando o Furaquinho, com 875 testemunhas no Alto da Colina. Jogo fraco, marcado pela sonolência e desinteresse. A zaga do Bacalhau não teve motivos de preocupação, apesar de o time paranaense precisar do resultado positivo. O único lúcido do Trétis era Netinho, que protagonizava as melhores jogadas do time. Era pouco e os cruzmaltinos mandavam no jogo. Agora, o Vaishco enfrenta o Lanús, da Argentina. Vamos ver se dá jogo...

Nenhum comentário: